sábado, 26 de novembro de 2011

Canção de dia


Talvez porque ainda te sinta aqui
E pense em ti quando o sol despertar
Não vou desistir, não vou
Não vou resistir
Vou escrever, vou gritar
Cantar até você ouvir.

Desfecho


É, os anos passam e nos há de convir que sentimentos também.  

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

As mais sinceras desculpas


Perdoe a ausência: é que as lembranças só saem das cinzas quando o coração está em mil pedaços.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Liberdade



Apoiava-se em tudo o que podia alcançar: Um pedaço de muro no ponto do ônibus; um pedaço de ombro do colo de alguém. Apoiava-se também nos sonhos e desejos dos outros, fossem o que fossem, desde que não fossem dele. Até que um dia ela bateu à porta. Ela, a solidão em busca de companhia; ela, que trouxe consigo uma inquietude inexplicável de ficar de pé sobre os próprios pés. Um nó devorava a garganta: precisava fugir daquela sensação.

Pela primeira vez então se apoiou unicamente para conseguir equilíbrio. Tropeçando nos próprios pés, um passo desencontrado atrás de outro, atravessou a rua e rompeu de vez o medo de seguir em frente. Os olhos brilharam, e nos lábios um sorriso orgulhoso chamava atenção das pessoas. A sensação de andar com os próprios era simplesmente a melhor coisa do mundo.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Lembrança


Socou as roupas para fora do guarda-roupa e depois as portas; limpou o rosto com a manga do casaco antes de descer com as malas para atirá-las na calçada, como se pudesse descontar suas raivas naquelas peças de algodão macias. Como se pudesse colocar para fora quem não saía do coração.

sábado, 21 de maio de 2011

Protegendo o coração...


Hipocrisia é amar um amor fraco,
Que pode mais cedo ou mais tarde me deixar na mão.
Prefiro a segurança de contar comigo
Do que a insegurança de contar contigo,
Sempre tão alheio e desatento ao meu coração.


sábado, 14 de maio de 2011

Nua, outra vez


Não levei mochila pra não levar saudade; nem lembrança e nem critérios de verdade. Fui nua e crua, sem teto e nem lua. Visitei algumas casas, provei cheiros e sabores; experimentei amores novos e novos tipos de amores. Descobri que nem sempre amar é se envolver, e que se envolver na maioria das vezes não é amar: é suportar, porque conviver é difícil. Atravessei uma ponte importante no meio do caminho, importante mesmo, que me fez enxergar quem estaria disposto a enfrentar o dragão pra ir me visitar lá do outro lado. Foi triste: eu ainda tenho alguns adeuses que não pude dar, assim como ainda gosto de quem não quer me gostar. Mas a porta se fecha e você tem que ir. E ponto. Tem outra aberta te esperando e você nem sabe.
Virei razão de morrer; virei assunto mais importante que novela. Despertei sentimentos, abraços e sorrisos, eu sou boa nisso. Mas também uma vez despertaram em mim um buraco que até tem fim, mas que tá muito longe de alcançar. Eis que surgiram as palavras pra maquiar.
Eu poderia ser menos escura, mais clara, sabe? não é tão óbvio quanto parece. Mas é que eu sou meio assim, meio dizendo por dizer, meio me narrando sem saber, meio a meio. Meio amarga, azeda. Meio odiando tanta exposição. Meio amando. Um suspiro pra finalizar, por favor, e deixemos assim.
Eu quero colo.

domingo, 1 de maio de 2011

Crendice


Meu erro foi parar de morrer quando era esquecida. Foi prender a primeira lágrima que deveria ter caído, ela tinha que ter caído. Foi respirar fundo quando uma música remetia algumas lembranças para que o meu coração não exibisse suas sentimentalidades. Meu erro foi trocar infinitos eu te amos por beijos, simpes assim, banal. Foi parar de olhar pelo vidro e esperar te ver em algum lugar, foi parar de te procupar em qualquer esquina. Meu erro foi tirar férias de você, te expulsar, te obrigar a sair. Foi gastar todas as minhas forças te empurrando, já que você não queria ir. Tanto esforço na crendice idiota de que tudo ficaria bem quando o meu mundo parasse de girar em torno da sua vida.
Não melhorou nada, não aliviou nada. Não adiantou nada e olha que eu nem lembro mais o seu sorriso.
Eu só ganhei mais um banho de insensibilidade.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A última história de amor

As mãos de Anelise costumavam tremer quando os olhos dela encontravam os de Theo. Havia uma explosão de sentimentos dentro de cada um, uma explosão que chegava a doer. Eles se pensavam todos os segundos de um dia; eles se amavam e não havia espaço para mais ninguém. Eles se completavam tão completamente que chegava ser absurdo. Eram absurdamente feitos um para o outro.
Costumavam imaginar o futuro. Um filho, dois? Menina, menino? Thiago. Brenda. Maria Eduarda! Não, não. Um deles não gostava de nomes compostos.
Sonhavam juntos e, na maioria das vezes, acordados. Calados. O olhar dizia tudo e eles entendiam, assim, sem tradução. Conectados.
O tempo não passou, correu. E Anelise e Theodoro cresceram. Ela mudou de pele; ele de escama. O olhar de Theo não dizia mais coisas bonitas. Na verdade, não dizia nada.
O calorzinho no peito de Anelise já não derretia mais seu coração.
Os assuntos infinitos chegaram ao final. Não havia mais palavras, eles haviam usado todas.
O tempo fechou.
E eles decidiram ir embora antes que pegassem chuva. Antes que derramassem chuva.

sábado, 23 de abril de 2011

Eu te amo, Carolina


Carolina é poesia. É inverno em Londres, verão no Rio de Janeiro. Carolina é intensa, sonha e corre atrás, não é dessas que se perdem no caminho. Carolina tem uma coisa que atrai as pessoas, sei lá, Carolina vive rodeada de bons corações. E ainda assim, Carolina é autossuficiente para ser sua própria melhor amiga. Carolina não dorme mais de seis horas por dia. Tantos dias pra viver... perder tempo dormindo pra quê?!
Carolina gosta de mudar. Isso implica em deixar coisas boas para trás, mas é assim a vida. Gosta de guardar alguns momentos eternos, ainda que se esqueça deles depois. Carolina prefere assim.
Carolina corta o próprio cabelo. Compra pão de meia e chinelo. Cabelereiro, nem lembra o que é. As pessoas falam, é claro. Carolina? Ri.
Carolina não se prende a amores, embora morra quando eles chegam ao fim. Não tem problema, ela ressuscita depois. O coração? Eu garanto: Nem um arranhão.
Em primeiro lugar está Carolina. Em segundo, Carolina. Em terceiro, adivinhe só?
Egocentrismo? Egoísmo? Não, não. Amor próprio.
Carolina me encanta. Carolina me canta. Carolina me encontra.
Carolina é invenção. Carolina é suposição. Carolina é o que está nas entre linhas.
Carolina vive dentro de mim. Ela parte de mim, ela é parte de mim. Esconde-se dentro de mim; explode dentro de mim. Carolina é a melhor comparação de tudo que eu posso ser.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Autocrítica

Vestiram de azul a princesa cor de rosa.

Pobre princesa, odiava azul!
Pobre princesa! Tão fraca que nem lutou.

Era mais fácil ser quem não era mesmo.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Não é sobre você


Vou dizer que não sinto falta do seu cabelo cheiroso e bagunçado, e que eu já não lembro o seu segundo nome. Vou inventar um amor novo que me sirva de inspiração, e varrer de uma vez por toda qualquer resíduo de lembrança que você esqueceu em mim. Pela primeira vez, vou escrever sem pensar em você. Vou dormir sem lembrar do seu sorriso fácil. E quando sonhar, vou pôr um rosto novo em seu lugar, só para me dar ao luxo de dizer que você não significa mais nada para mim. Porque hoje é primeiro de abril, e eu também quero inventar algumas mentiras para ser feliz.


segunda-feira, 28 de março de 2011

Ele se vestiu de mim



Desprezível é uma definição perfeita para ele, assim como o teatrinho que ele encenou no meu jardim suplicando uma gota do meu tempo precioso. Suplicou também um pouco de lembrança, um pouco de saudade, um espaço pequeno no meu coração. Esse tipo de pessoa que se contenta com pouca coisa...

Ele parecia até comigo há um tempo atrás, quando eu costumava faltar com respeito a mim mesma, e tinha como principal hobby viver das sobras do pouco amor que ele dolorosamente me doava. Quando era eu quem estava sempre à espera de um olhar atencioso, bonito, diferente. Mas ele fazia questão de fingir que eu era a mulher invisível.

É ironicamente cômico que nós tenhamos invertido os papéis agora. Acho que eu o assustei quando empacotei minhas coisas ruins e as joguei no lixo. Quero dizer, minha independência o assustou tanto, mas tanto, que ele correu para tentar me recuperar, mas já era tarde...

Ele acabou se confundindo com o meu resto, e agora se exibe pela cidade com a parte feia que eu era. Ele nem sabe ser bonito, o coração dele é tão feio, é tão feio... E cheio de atitudes desprezíveis.

quinta-feira, 24 de março de 2011



Essa mania terrível de pensar diferente ainda vai me levar a algum lugar. Eu sei que vai.


quarta-feira, 23 de março de 2011

Sapato velho


Sou a sola de um sapato desgastado, desses que a gente usa para proteger o pé da lama, e depois atira num canto qualquer quando o sol nasce outra vez.

Seus pés são farpas que machucam quando você me calça em busca de proteção. E pior, eu protejo.


Protegia.

Sou um porco espinho pronto para atacar. Venha, agora é olho no olho. Me use de novo e veremos quem sairá mais ferido.

domingo, 20 de março de 2011

Gerundiando


Ando fugindo, me esquecendo no banco de trás de um táxi. Me guardando num bolso furado, me trancando num cofre sem cadeado. Ando quebrando espelhos, desfazendo promessas e laços. Ando gritando em silêncio; sonhando um sonho que não é meu. Sentindo a dor que não é minha. Seguindo regras patéticas, ouvindo música de um verso só. Ando tentando errar o caminho. Não ver a sinalização. Ando tentando me perder. Ando falando mal da humanidade. Falando bem. Menos falando de mim. Estou exausta. Exausta de dizer que estou exausta. E de continuar me camuflando nas mentiras que são minhas palavras.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Descoberta fascinante


E no fim, todos passam a ser aquilo que lhe é destinado pelo julgamento de terceiros. Faça-me o favor de não vir com alucinações contraditórias ao que muito tempo eu levei para descobrir. Porque sim, nós somos a soma dos rótulos que nos presentearam desde a nossa infância até os dias de hoje. E com isso, quero gritar para o mundo: "Comportamento não corre nas veias não, gente!" Não é como um vírus incurável. No máximo, é uma virose. A gente muda. A gente renova. A gente é, e sempre será um monte de pensamento complexo em constante mutação.

sábado, 12 de março de 2011

É guerra, é guerra...



Para, que eu não quero ouvir
Está havendo uma revolução em mim.
Meu sistema atual está entrando em crise
É que nenhum dura sem ser livre...

Para, que eu estou ocupada comigo mesma
Escalando, feito uma lesma,
O muro que eu mesma construí
Um pouco mais alto que o de Berlim.

Para, você não percebe que eu estou lutando?
Duas partes de mim estão guerreando
Não foi declarada, nenhuma arma existia
Algo parecido com a guerra fria.

Para, que agora um conselho tanto faz
Duas metades de mim estão machucadas demais
E dói saber que todo fim é só mais um início;
Que o próximo estágio é sempre o mais difícil

Para, que agora só me resta unir meus cacos
Todos os meus sonhos foram decapitados
Meu sorriso é parte da armadura que criei
Ele esconde a lágrima que eu sempre derramei.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Antigas verdades

Por favor, garçom, me vê uma dose de angústia
Sem gelo, sem açúcar
Sem pitada de sabor
Ah, e acrescente um pouco de desamor.

Deveria ser errado, me castigar
Mas como vive um escritor sem chorar?
Se das lágrimas é que nascem as poesias
Eu sobrevivo dessas simples manias.

Por favor, garçom, nunca conte a ninguém
O meu desabafo só a mim me convém
Eu sei exatamente o rumo de cada opinião
Se o nosso monólogo entrasse em dispersão

Deveria ser errado, guardar segredo
Eu quero mais é falação sobre os meus medos
Se do exposto é que nasce a crítica
Eu ganho espaço e pouso mais a vista.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Mais uma vez

Remoer o passado para sentir dor nunca foi a minha especialidade, mas eu confesso que tudo virou de cabeça para baixo desde que você invadiu a minha vida. Eu não sei direito como chego a esta situação deplorável, a ponto de me arriscar nas palavras mais uma vez, na tentativa de te fazer entender sem que eu precise explicar. Mas tenha absoluta certeza que eu sempre chego ao ponto de apreciar minhas fraquezas. E minha fraqueza sempre foi você. Talvez seja culpa minha você nunca ter percebido os meus sentimentos, eu criei tantas máscaras, eu ensaiei tantos sorrisos que não eram meus, que nem um especialista poderia me desvendar. Até hoje, amor, ninguém nunca me desvendou...

Minha memória é traiçoeira, as lembranças que lá habitam muitas vezes viram pó, muitas outras vezes me tiram o chão. E são nessas horas onde todos os meus pensamentos desaparecem, todos os meus sentidos são perdidos, e só restamos nós dois. Na verdade só resto eu com as suas dolorosas lembranças, mas eu prefiro pensar da primeira maneira. É menos solitária.

Nas minhas lembranças você é sempre como um anjo. Nunca tem asas, nunca usa branco, mas está sempre com aquele olhar atento, disposto a aparar meu pranto. E eu sou apaixonada pelos seus olhos. Eu também não sei dizer como você é capaz de fazer isso, mas você sempre acaba me salvando de mim mesma. Você é tão bom que eu sinto vergonha de mim, eu sinto nojo dos meus pensamentos maldosos. Você me confessou tantas coisas, que no mínimo eu deveria ter sido sincera com você. Mas eu não fui... Eu não sou merecedora nem das migalhas do teu amor. Mas você é tão ideal que continua amando minha imundice de defeitos, e eu te odeio por isso. Eu te odeio por aquilo. Eu te odeio por te amar tanto.

Sei que a distância agora é a nossa pior rival, seus olhos foram embora antes que eu pudesse criar coragem, e levaram consigo o brilho que alimentava a minha alma. Isso deve explicar o fato de eu me sentir tão fraca, tão frágil. Eu estou desmontando como um boneco de neve exposto ao sol.

Essa é sempre a pior parte, a despedida. A hora em que eu arranco a folha do caderno e amasso, para atirar a bola cheia de significados no lixo. Mas é necessário me desprender de você. Adeus, amor. Até outro momento de fraqueza.

Mistério da noite


Eram pretos, os olhos. De uma intensidade imaginável. Inigualável.
Expressivos. Inteligentes. Curiosos.
Havia algo que a incomodava nesta noite especialmente. Faltava algo. E ninguém, exceto ela, parecia estar se dando conta. Nenhum adulto. Nenhuma outra criança...
Eram impacientes agora, os olhos. À procura da mulher que sempre tinha resposta para tudo. Pelo menos em sua concepção, era assim que funcionava. Encontrou a sabe-tudo um instante depois.
- Mamãe - era urgente a sua voz - Quem roubou um pedaço da lua?

Era noite de lua minguante.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Sentença de um sonho perdido...




Fizemos um pacto, eu e as palavras:
Sinto eu, sintetizam elas
E explicam, complicam, rabiscam, dão nó
Oscilam, dão ré, vê só!

Fizemos um pacto, eu e as rimas:
Sentido dou eu, melodia dão elas
E falam, e cantam em nome de amor
E mexem, e mudam o nosso valor

Fizemos um pacto, eu e os sonhos:
Fecho os olhos eu, mostram-me eles
Segredos, meus medos, vontades, desejo
E brincam, embaralham, o dia eu prevejo.

Fizemos um pacto, eu e o destino:
Traço um eu, encaminha ele
Me leva pra longe, me arranca do abismo
Protege da chuva, feito ombro amigo.

Palavras, destino, os sonhos e as rimas
Mentiram, enganaram, levaram à ruína
O bom coração
da ex-doce menina

Promessas eu sei, são sempre quebradas
No fundo, no fim, não resta mais nada
Além da sentença de um sonho antigo
Crer em palavras é tempo perdido...

terça-feira, 1 de março de 2011

Ontem à noite...


Te vi chorar como uma criança que rala o joelho ao cair da bicicleta. A única diferença é que desta vez não havia nenhum abraço materno para lhe amparar. Muito menos uma mão para te ajudar a ficar de pé. O que me faz lembrar de como a vida pode ser injusta com a gente. "Deus está do seu lado", disseram-lhe. Mas quem disse que você acreditou? Já te mentiram tantas vezes... "Longe de mim querer morrer - escreveu mais tarde, no diário. - Talvez só sumir por algum tempo. Pra tentar esquecer o que não consigo parar de lembrar". Não pude resistir ao convite irresistível.
Te acolhi em meus braços, quentes e convidativos, enquanto suas lágrimas molhavam-me o ombro. Partiu-me o coração partir, horas depois, deixar-te sozinha outra vez com sua realidade. Porque você está cega demais para me encontrar novamente. Mas se quiser, querida, só reze. E tenha certeza que virei correndo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Oco...

Vivemos com a certeza de que o fim é certo,
que incerto é viver.
Vivemos com a descrença da vida pós-morte,
pois morte é morrer.
Vivemos a espera do que nunca chega;
não esperar é descrer...

Vivemos de sonhos inalcançáveis,
buscá-los é vencer.
Vivemos de nossas próprias migalhas
do pão do amanhecer.
Vivemos refazendo novas leis
e a lei proíbe envelhecer.

Morremos sem arriscar tudo
arriscar é coisa de louco!
Morremos sem dizer te amo,
amar é para poucos...
Morremos de coração oco

Coração porco
Coração oco...

domingo, 26 de dezembro de 2010

Palavras que rimam


São quase quatro, eu vejo
da cortina do meu quarto, o medo
de quem chora a morte do desejo
perdido na Chama do Gelo.

Desenhada num momento de confusão, ela chora
de saudades do amor que foi-se embora
e deixou no seu lugar a comoção.
A garota do papel amarelado está triste.

É estranho como as coisas giram, sem mudar
você procurando sentido em tudo o que lê, sem pensar
que palavras podem nem sempre te fazer mudar
Algumas servem apenas pra rimar.


A garota do papel amarelado está triste.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

hoy te digo adiós...


Maldito coração de cristal treinado para dizer adeus que ainda sofre a cada último abraço.

sábado, 30 de outubro de 2010



Não vou viver como alguém que só espera um novo amor
Há outras coisas no caminho aonde eu vou
Às vezes eu ando só, trocando passos com a solidão
Momentos que são meu e que não abro mão.

Ana Carolina - Pra rua me levar


quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Bela flor do céu - Parte I de II


“Era noite mais escura que tribo já tivera presenciado em toda história de Terra Sagrada. Trovejava tanto, mas tanto, que pensaram estar sendo castigados por Yjara, a mãe da água”


Toda a tribo que ali se reunia em volta da fogueira estava com os olhos fixos em Potyra - índia considerada mãe da Terra Sagrada que viviam – e na história que a mesma contava.


“Mas tribo estava enganada! Não era castigo de Yjara não.” - Potyra sorriu. - “Era presente de Rudá - Deus do Amor”


“Rudá nos presenteou com que Potyra?” – perguntou o jovem Pyatã, com olhos impenetráveis. Mas Potyra prosseguiu como se não estivesse escutado.


“Todos estavam em suas ocas com medo de mãe Yjara, preocupados demais com Terra Sagrada e ninguém olhou pro céu. Estrela cadente caia em Terra Sagrada, era menina Anahí”


“Sou estrela Potyra? Rudá me trouxe até aqui?” – Anahí perguntou tão assustada quanto os outros. Potyra pediu pra que ela ficasse de pé de modo que todos a visualizassem e foi ao lado dela.


“Menina Anahí é enviada de Rudá, sim. Nossa menina tem pele branca feito neve. Cabelo amarelo feito ouro de nossas terras. Olhos azuis feito as águas. Que brilham feito estrela”


Todos olhavam para ela em forma de respeito.


“Menina Anahí foi encontrada ainda bebê em Terra Sagrada depois de chuva forte. Menina nos trouxe o sol de volta.”


“Rudá a enviou por algum motivo. Qual Potyra? – o jovem novamente perguntava.


“Resposta tá no coração da nossa estrela Pyatã, só coração de menina pode dizer”


“Não sei o que fazer Potyra. Corpo meu é diferente de tribo, mas só me vejo índia”


“Sempre será índia, Bela Flor do Céu. Sempre será estrela que Rudá enviou. E hoje que menina completa dezoito ciclos de vida, está pronta. Vai-te embora, filha. Vai-te em busca de destino seu”


“Destino meu é com tribo Potyra”


“Não sente coração chamar por ti, Bela Flor? Lugar teu não é aqui”


“Nem com os brancos, Potyra”


“Alguém chama todas as noites por teu nome, Bela Flor. Implora aos deuses para encontrar a alma perdida. Chora. Não te preocupes menina, lugar teu também não é com os brancos”


“Onde Potyra? Onde está coração que chora por mim?”


“Liberta de tribo e vai menina. Vai-te encontrar teu mundo! Vai-te virar estrela outra vez!”


Potyra arrancou um dos pingentes que carregava no pescoço e entregou a Anahí. Era um pequeno mineral de cor castanha-avermelhado.


“Que isso Potyra?” – Perguntou a menina quando pegou o objeto nas mãos.


Estaurolita. Lágrimas que amor teu derrubou quando você foi embora. Trouxe contigo quando chegou até nós. É teu e vai ajudar em teu caminho”


Anahí apertou a pedra entre os dedos e fechou os olhos, erguendo a cabeça para cima. Sentiu-se iluminada e nesse momento soube que deveria ir, embora não soubesse para onde. Sentiria saudades da tribo. E a tribo dela, cujo também não queria que ela partisse. Porém quando Potyra falou novamente o nome de Rudá, todos acharam melhor que ela seguisse o destino que o Deus havia preparado para ela.


Os índios a seguiram até a entrada da Aldeia e observaram Anahí silenciosamente montar no cavalo para seguir seu caminho, em busca do coração que ainda chama por ela.

terça-feira, 26 de outubro de 2010


(...)
Mas quando olho em teus olhos, sinto que posso voar.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Algum lugar


Certo dia eu o vi bem próximo. Ousado e sedutor, quase invade a alma e o coração. Covarde toda via espiei, mais amedontrada do que deveria. E ao confirmar que era ele, ele de verdade, bem ali na minha frente, eu... eu... me escondi.

Sumi dentre esses rascunhos que hoje busco equilibrio para encontrá-lo mais uma vez e dessa vez poder senti-lo. Porque eu sei que ele existe e que um dia eu hei de encontrar. Aqui ou em qualquer outro lugar... O amor existe em algum lugar.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Inverno

Eu escrevo cartas pra ninguém, eu fecho os olhos pra tentar imaginar uma realidade diferente e bem melhor que essa, mas parece que seu rosto está sempre aqui disposto a me afrontar, como um fantasma que surge em meio a escuridão. Me proibo de chorar, porque sinceramente chorar não vai trazer nenhuma felicidade ou vai me estampar um sorriso na cara. Hoje eu me afundo um pouquinho mais, pra amanhã vestir a máscara de vida perfeita de sempre e fingir que está tudo bem, como sempre, como sempre... à espera de, quem sabe, uma verdade capaz de me proteger desses dias tão frios.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Masoquismo


Ninguém quer saber se seu coração está despedaçado e se sua alma perdida. Na verdade, ninguém quer te enxergar, te estender a mão, te mostrar um caminho mais fácil, porque não há ninguém aí pra você. E você se afunda um pouco mais. Mas em meio a escuridão, eu percebi que já não vale tanto à pena martirizar. E que eu não preciso mais aguentar meus defeitos sendo atirados na minha cara por você, porque para me castigar, sinceramente, já basto eu.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010


To tentando entender.
Por que é tão incompleto sem você?

domingo, 19 de setembro de 2010

Ao encontro teu

Muitos amores se perderam no tempo
Mas um ainda doí quando eu lembro

E da vontade de te ouvir dobrando a esquina
Pra nunca mais me sentir sozinha

Sei que dessa vez o erro foi meu
Mas é que meu amor não se perdeu

Eu vou pegar o próximo trem
Pra ir atrás do meu bem

E é porque cansei de fingir que nada aconteceu
Que estou indo ao encontro teu.



sábado, 18 de setembro de 2010

Desisto

Não precisa mais retornar minhas ligações perdidas e nem responder os e-mails que me dou ao trabalho de escrever. Não quero mais te ver sorrir sem vontade ou te ouvir me chamar friamente de linda quando o que mais desejo ouvir é um "te amo". Seria mais fácil se colocássemos um ponto final nessa situação, porque essa sua farsa está me magoando mais do que a hipótese de te perder. Estou cheia de mentiras. Eu desisto de nós dois.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Só você

Tenho medo de fechar os olhos
e sonhar com o impossível
com abraço inalcansável...

E que esse sonho possa revelar
o que meu coração tenta avisar
o tempo todo

Que aqui não é o meu lugar
e não posso mais esperar
pra te dizer

Que talvez
Mas só talvez
Eu sempre amei só você.