sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Penhasco

Levou menos de um segundo para eu começar a cair do alto do penhasco, e por mais que eu estivesse a uma velocidade absurdamente alta tive a impressão de que não encontraria mais o chão. No meio do desespero senti tremores e abri os olhos, mas não senti calma, paz, tranquilidade, ou nenhum sentimento que me deixasse menos infeliz. Porque mesmo consciênte é assim que agora sempre me sinto: caindo, sem rumo, sem poder encontrar o chão. Depois de ser jogada de um lugar solitário e escuro qualquer.



2 comentários:

  1. Nossa, adorei isso aqui. Eu meio que gosto de quedas. (:

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei bastante com essa seu texto ! *--*

    ResponderExcluir